Indigo & Cristal

Indigo & Cristal
POR SERMOS ESPECIAIS
As crianças Índigo denunciam todas as estruturas fracas, frágeis e ultrapassadas existentes na sociedade actual. Com este trabalho os Índigo abrem caminho vibracional para os meninos Cristal. Estes continuarão depois o trabalho com energias mais subtis orientando o futuro de uma forma diplomata e amorosa.

Quando uma criança Índigo perde a ligação com a mãe Terra, perde o seu centro e por isso o seu equilíbrio. Deve nessa altura fazer uma meditação. Utilize sons da natureza para o ajudar a estabelecer a ligação o mais rápido possível. Repita o exercício várias vezes por semana e se possível sempre a mesma hora. Sobre tudo dê o exemplo, já que é por exemplo demonstrado que pode conseguir com paciência que este exercício passe a fazer parte integrante do dia a dia da criança ou jovem adolescente.

Uma criança Cristal perde o centro se exposta a situações que provocam o encerramento do chakra do coração, ou exposta a situações que perturbem gravemente o seu sistema emocional. Para equilibrar o seu sistema, este deve ficar mais tempo ligado à natureza.

A vibração índigo, centrada no 3º chakra tenta estar em contacto com tudo o que o rodeia e tem a capacidade de perceber tudo com verdade. A vibração Cristal quer deixar o individual e mudar para a perspectiva grupal, estão centrados no chakra do coração. A criança Cristal está centrada no coração por isso mais perto das emoções.

Tem um estreito contacto com tudo o que vive e se manifesta no planeta.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

COMO EDUCAR CRIANÇAS INDIGO E CRISTAL


Por não se enquadrarem nos modelos familiares e sociais as crianças Índigo e Cristal são incompreendidas e por isso não é fácil se lidar com elas, especialmente na escola e no lar, pior se lhes for impostas regras e códigos para os quais elas não vejam a razão. Por isso educar uma Criança Cristal pode ser um verdadeiro desafio.
O Comportamento no lar pode ser inquietante, porque freqüentemente os assuntos não resolvidos dos pais são sentidos pela criança, que será afetada negativamente por essas emoções. É muito importante um educador saber da existência de tais crianças, pois a educação delas envolve nuances peculiares; não saber lidar com elas pode ser psicologicamente devastador. Se não for entendida sua energia poderosa poderá ser usada em lutas por poder que seus pais ou educadores nunca irão ganhar.
Diz Divaldo Pereira Franco: “... Essa é uma grande dificuldade que os psicólogos têm experimentado, porque normalmente existem as crianças que são portadoras de transtornos da personalidade (DDA) e aquelas que, além dos transtornos da aprendizagem, são também hiperativas (DTAH), mas os estudiosos classificaram em 10 itens as características de uma criança índigo, assim como de uma criança cristal”. Continuando: Atualmente alguns educadores elegem como métodos educacionais algumas das propostas da doutora Maria Montessori, que criou, em Roma, no ano de 1907, a sua célebre Casa dei Bambini, assim como as notáveis contribuições pedagógicas do Dr. Rudolf Steiner. Steiner é o criador da antroposofia. Ele apresentou, em Stuttgart, na Alemanha, os seus métodos pedagógicos, a partir de 1919, que foram chamados Waldorf. A partir daquela época, os métodos Waldorf começaram a ser aplicados em diversos países. Em que consistem? Amor à criança. A criança não é um adulto em miniatura. É um ser que está sendo formado, que merece o nosso melhor carinho. A criança não é objeto de exibição, e deve ser tratada como criança. Sem pieguismo, mas também sem exigências acima do seu nível intelectual. "Apresentam padrões distintos, ignorar esses é criar desequilíbrio e frustração, por isso os pais e educadores tem que orientá-los, mas aceita-los como são se interpretar sua maneira de ser como um distúrbio psicológico”.
Essas crianças ao serem matriculadas na escola esperam encontrar uma visão diferenciada, e quando isso não acontece, tornam-se quase insuportáveis. São tidas como DDA ou DTAH. São as crianças com déficit de atenção e hiperativas. Nesse caso, os médicos vêm recomendando, principalmente nos Estados Unidos e na Europa, a Ritalina, uma droga profundamente perturbadora. É chamada a droga da obediência. Com ela a criança fica acessível, mas ela perde a espontaneidade. O seu cérebro carregado da substância química, quando essa criança atinge a adolescência, certamente irá ter necessidade de outro tipo de droga que vão tentar encontrar no mundo das drogas. Daí é necessário muito cuidado. Diz Divaldo: Como hoje é norma, os pais por vários motivos quase nunca estarem em casa e suas crianças são cuidadas por pessoas remuneradas que lhes dão informações, nem sempre corretas. Assim os pais deverão observar a conduta dos filhos, evitar punições quando errem, ao mesmo tempo colocando limites. Qualquer tipo de agressividade torna-as rebeldes, o que pode levar algumas a se tornar criminosos seriais. "Os estudos generalizados demonstram que algumas delas têm pendores artísticos especiais, enquanto outras são portadoras de grandes sentimentos humanistas, outras mais são emocionais e outras ainda são portadoras de natureza transcendental”.
Essas crianças provavelmente serão os grandes governantes da Humanidade no futuro; as artistas vêm trazer novos conceitos de beleza e estética, daí a grande responsabilidade dos educadores em orientá-las corretamente.
Elas não aceitam qualquer tipo de punição; isso lhes provoca ressentimento, amargura que podem leválos à violência, à perversidade e coisas assim. Indaga-se se as características dessas crianças já estão assinaladas em nível de DNA. A resposta é afirmativa, basta que se cite que há diferenças anatômicas no cérebro no que diz respeito aos hemisférios cerebrais, e é provável que com o tempo muitas características adormecidas nos gens venham a ser ativadas permitindo ampliar o neo-córtex, dando margem a mais amplas e mais complexas faculdades mentais.
As crianças precisam de muita atenção, e fazem de tudo para alcançarem os seus desejos e os pais facilmente cometem o engano de conseguir o que eles querem sem compartilhamento com elas. Gostam muito de livros, são leitores avios de conhecimento, mas a escolaridade não lhe pode ser imposta. São ótimos alunos quando é cumprido, tudo o que lhe for ensinado tem que ser mediante dialogo e não por imposição.
As escolas do “tempo da palmatória” jamais seriam aceitas pela criança Indico ou Cristal, elas acabariam por ser um sério problema de indisciplina. Ainda bem que naquele tempo tais crianças ainda não tinham vindo encarnar na terra, somente os seus precursores.
“São pessoas do tipo que têm que ser permanentemente lembrados, pois freqüentemente se esquecem das ordens simples e se distraem, esquecem os deveres escolares. Muitas vezes não o fazem por pura rebeldia, mas muitas vezes resulta da desatenção que conduz ao esquecimento. Por exemplo, você pede para eles arrumarem o quarto. Eles começam a arrumar e de repente encontram um livro e começam a ler porque são leitores ferozes. Certa vez, eu estava em um vôo onde estava uma criança de cerca de três anos que estava aprontando. Sua mãe deu-lhe o panfleto de segurança do avião e ele o abriu todo com todas as figuras. Ele permaneceu sentado, muito sério como se estivesse lendo, muito sério e intenso na concentração. Ele estudou o folheto por uns cinco minutos e eu sabia que ele não poderia ler, mas ele pensava que ele estava. Este é o típico Índigo...”
Nem todas essas crianças especiais serão boas na idade adulta. Isso vai depender muito da educação que lhe for dada na família e na escola. Isso endossa o que afirmamos, não são seres puros e sim seres ainda em desenvolvimento espiritual, apenas que estão adiante dos da Era de Peixes. São afetuosas, mas tecnicamente rebeldes. São conquistadas pela ternura. São um pouco destrutivas, mas não por perversidade, e sim por curiosidade.
Diz Divaldo: “Como vêm de uma dimensão onde os objetos daqui não são familiares, quando elas vêem alguma coisa diferente, algum objeto, arrebentam-no para poder olhar-lhes a estrutura e o mecanismo de funcionamento”.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Loading...